A Sala dos Globos

Para a meninazabel


A sala dos globos parecia ser o sítio da casa onde, antes do jantar, todos se juntavam.

Nunca percebeu exactamente porquê: a casa era enorme e tinha outras salas, maiores até, com sofás confortáveis e lugares disponíveis; apesar disso tudo a sala dos globos era sem excepção a preferida. Se calhar, tal como os outros convivas, sentia-se perfeitamente à vontade ali, por razões difíceis de explicar.

Das primeiras vezes que lá foi, antes de conhecer o resto da casa, ainda pensou que fosse por causa da vista única sobre o Tejo, mas cedo descobriu que a casa tinha muitas e muito bonitas vistas noutros pontos, não podia ser isso. Também, a única memória que tinha da música a tocar era Charlie Parker num volume tão descaradamente alto que até lhe parecia apropriado, o que para alguém sem nenhuma paciência para Charlie Parker, era mais um mistério.

A única explicação que parecia sobrar eram os globos terrestres em si, que havia de todos os tamanhos e estilos, antigos e modernos, em plástico, metal e cartão. O espelho por cima da lareira já nem se via, atulhado que estava de globos.

A cada vez que ia lá a casa, descobria mais uns tantos. Contava-os todos, sempre e acabava sempre irritado por não chegar duas vezes ao mesmo número. Nunca se esqueceu que da primeira vez chegou aos 55, mas foi a única, também. Tentou vários métodos: por tamanhos, dos mais pequenos para os maiores (50), por sítio, avançando o copo como se de um marcador se tratasse (53), por estimativa, talvez já conformado com a ideia de que nunca iria saber quantos globos existiam ao certo na sala (58). Ficou tão obcecado com os globos que chegava a contá-los três e quatro vezes numa só noite, de várias maneiras, comparando resultados (51, 48 e 56).

Só reparou que a sua frustração se estava a aproximar da indelicadeza quando um dia, ainda no elevador, desenhou mentalmente um plano para tirar os globos todos para a sala da televisão ao lado, um a um, do primeiro até ao último. “Não pode falhar” pensou “pode ser que leve tempo, mas vou ficar a saber”.

Felizmente foi distraído por outras conversas nessa noite mas ao sair, do corredor, olhou para a sala dos globos outra vez como que despedindo-se de uma intolerável e doce dor.

Até ao próximo jantar.

#Português#Portuguese#Teresa

Leave a Reply

Your email address will not be published / Required fields are marked *

To respond on your own website, enter the URL of your response which should contain a link to this post's permalink URL. Your response will then appear (possibly after moderation) on this page. Want to update or remove your response? Update or delete your post and re-enter your post's URL again. (Learn More)